O que é e como funciona o neuroUP Database

FISIOLOGIA X SINTOMAS CLÍNICOS

A especialidade de DTM e dor orofacial está passando por um crescimento acelerado no Brasil. Diversas inovações tecnológicas estão começando a ser aplicadas nos consultórios. Porém, uma dificuldade ainda recorrente é a falta de instrumentos objetivos na avaliação fisiológica dos pacientes.

As alterações musculares costumam surgir de forma silenciosa e as modificações fisiológicas antecedem o aparecimento dos sintomas clínicos. De forma semelhante, durante o processo de reabilitação, o corpo do paciente passa por uma série de alterações mensuráveis, mesmo antes da manifestação clínica se tornar evidente.

Atualmente passamos por dois problemas:

  1. Em muitos pacientes, é difícil de fechar um diagnóstico específico por falta de informações objetivas. No consultório nós não temos acesso a nenhum exame complementar de suporte ao diagnóstico relacionado com estas condições;

  2. Muitos pacientes desistem dos tratamentos por não perceber as melhoras graduais dos tratamentos.

BIOMARCADORES

Uma solução para estes problemas é o uso de biomarcadores, que são indicadores fisiológicos relacionados com a presença e a severidade de doenças no nosso corpo. As informações geradas por estes instrumentos podem ser somadas a avaliação clínica, e nos permitem aumentar significativamente a chance de sucesso dos tratamentos.

O principal indicador de bruxismo em vigília é o excesso de movimentos parafuncionais da mandíbula. Esses movimentos podem levar a alterações dentárias e a dores musculares. Por outro lado, existem pacientes com dor que não possuem bruxismo em vigília. Ao invés disso, apresentam uma elevação do tônus muscular em repouso (contração isométrica, fibras musculares do tipo I). Esta condição é presente em casos de DTM do tipo muscular.

Portanto, estamos falando de dois endofenótipos distintos de pacientes. Estas diferenças muitas vezes são sutis e imperceptíveis na avaliação clínica, mas relacionam-se com fisiopatologias e abordagens terapêuticas diferentes. A boa notícia é que estes dois subtipos podem ser diferenciados facilmente com o uso de eletromiografia de superfície e com o auxílio de inteligência artificial.

Estes algoritmos automatizados permitem a mensuração de dois biomarcadores: quantidade de movimentos parafuncionais por minuto (relacionado com bruxismo em vigília) e a potência muscular de repouso (relacionado com DTM muscular).

ESTATÍSTICA Z-SCORE

Após calcularmos estes biomarcadores, devemos comparar os resultados de cada pessoa com uma base de dados normativa. Desta forma, poderemos saber se os valores são considerados normais (esperados para esta faixa etária e gênero) ou se são excessivos.

A estatística Z-score é um recurso bastante utilizado quando queremos comparar valores de uma pessoa com uma população. O objetivo é saber o quão distante os valores individuais se distanciam da distribuição normal desta base de dados.

Portanto, caso o valor do Z-score seja maior do que 1,96, significa que a pessoa está a 1,96 desvios-padrões acima do normal. Este valor nos fornece um nível de confiança de 95% sobre esta afirmação.

NEUROUP DATABASE

Nos últimos dois anos, a neuroUP desenvolveu a primeira base de dados do mundo relacionada com a atividade muscular da região da ATM. Estas informações foram organizadas na forma de um serviço na nuvem.

Os profissionais certificados podem realizar avaliações musculares de 10 minutos de duração, enviar os dados de forma segura pelo servidor da neuroUP, e receber um relatório completo de análise estatística de biomarcadores musculares. Estas informações são valiosas antes do início do treinamento, para confirmar se o paciente precisa realizar o biofeedback, e ao final do tratamento, para confirmar se o participante já adquiriu o aprendizado muscular com a técnica.

CASO CLÍNICO: BRUXISMO EM VIGÍLIA

Paciente AGS, sexo feminino, 42 anos, com diagnóstico clínico de bruxismo em vigília, sem queixa de dor muscular (EVA = 1). Realizou-se uma comparação estatística dessa sessão com pessoas saudáveis de mesma faixa etária e gênero.

O relatório da primeira avaliação indicou uma quantidade elevada de movimentos parafuncionais por minuto (Z-score = 2,96). É importante lembrar que valores acima de 1,96 já são considerados como elevados. Por outro lado, o biomarcador de potência muscular de repouso registrava um valor considerado normal (Z-score = -1,37). Este resultado é esperado, já que a paciente não apresentava dor, nem elevação do tônus muscular em repouso.

AVALIAÇÃO INICIAL:

Esta mesma avaliação foi realizada após cinco sessões de treinamento com o biofeedback muscular. Os valores de ambos os biomarcadores se apresentaram normais após a intervenção: movimentos parafuncionais/minuto (Z-score = 0,57) e a potência muscular de repouso (Z-score= -2,12).

AVALIAÇÃO FINAL:

A neuroUP tem a missão de tornar a neurotecnologia acessível para todas as pessoas, permitindo que conhecimentos científicos avançados sejam oferecidos na forma de soluções de simples utilização, com segurança e com custos reduzidos. Não nos conhece ainda? Confira nossos serviços:

Conheça nossa base de dados →

Conheça a certificação →

Comentários